Folha de São Paulo – Textos inéditos de Charlote Brontê serão publicados em 2019. 16 de setembro de 2018

DO BAÚ A Faro editorial comprou os direitos de dois manuscritos inéditos de Charlotte Brontë encontrados, em 2015, dentro de um livro que pertenceu à mãe da autora e foi recuperado, em um leilão, pela Brontë Society. Os manuscritos trazem um texto em prosa e outro em 77 versos.

Coluna painel das letras – Maurício Meirelles

Faro Editorial compra direitos de manuscritos inéditos de Charlotte Brontë

Em novembro de 1812, um barco que transportava um baú de pertences de Maria Bradwell, colidiu com outra embarcação em Plymouth, e quase tudo se perdeu. Encalhado na costa de Devonshire, o baú foi praticamente despedaçado com a violência do mar e quase tudo o que tinha foi levado para o fundo do mar.

Maria Branwell havia deixado a cidade de Penzance no início do ano, para ficar com uma tia, e em sua casa conheceu o amigo do tio com quem viera a se casar.

Em uma carta escrita a Patrick  Brontë, pouco antes de seu casamento, Maria o informou:

Eu suponho que você nunca esperou ser muito mais rico, mas lamento informar que ainda sou mais pobre do que eu pensava. Eu mencionei ter enviado meus livros e roupas para cá por barco, mas recebi uma carta da minha irmã informando que o navio onde estava meu baú naufragou e quase todos os meus pertences foram engolidos pelo mar profundo.

Um dos poucos artigos recuperados foi um exemplar do livro “The Remains of Henry Kirke White”, de Robert Southey, publicado em 1810. Livros eram algo altamente valorizados na casa dos Brontë e quando Maria morreu, nove anos depois, este livro tornou-se a mais preciosa posse da família.

Com o passar dos anos, o pai de Charlote adicionou inscrições em latim, registrando o fato de que o livro pertenceu a sua querida esposa, e afirmando que tinha sido “salvo da ondas” e deveria ser preservado para sempre. O livro era muito amado pelas crianças, e anotações foram adicionadas por eles, incluindo um texto do filho, Branwell, que morreu aos 31 anos.

No entanto, a maior surpresa foi ter encontrado nas páginas do livro dois manuscritos desconhecidos de Charlotte Brontë. Trata-se de um texto em prosa e outro de 77 versos.

O Sr. Brontë teve uma vida longa, mais que de todos os seus seis filhos. Quando morreu, em 1861, os livros da família e objetos da casa foram vendidos em leilão. O paradeiro de muitos dos objetos permanecem desconhecidos. O catálogo manuscrito da venda de 1861 registra que um livro foi comprado por Rev. J. H. Wood, o ministro batista de Haworth, e agora sabemos que o livro que ele adquiriu foi a obra de Robert Southey. Recentemente a Brontë Society o recomprou.  Com as descobertas dos manuscritos nele contido, decidiu editá-los em um livro,  que será lançado no Brasil pela Faro Editorial.

“The Lost Manuscripts” celebra a descoberta desse material nunca publicado, um dos tesouros da família Brontë.

Além dos manuscritos inéditos, incluindo anotações do pai de Charlotte e esboços de Branwell,  a obra trará textos dos principais especialistas em Brontë no Reino Unido, contextualizando a descoberta para a obra da autora e as suas influencias no mundo literário.

O livro será publicado na Inglaterra no final do ano e no Brasil em 2019.